Mas afinal, o que é parto humanizado?


Cada vez mais, aparece o termo “Parto Humanizado” nos grupos de discussão de parto nas redes sociais, nos sites dos profissionais que prestam atendimento obstétrico e na mídia.

Mas a verdade, é que pouquíssima gente sabe realmente o que  significa humanizar a assistência ao parto.

Escrevi, anteriormente, sobre profissionais que se auto-intitulam humanizados. Vale a pena ler estas dicas para ver se o profissional que está te atendendo é realmente humanizado ou não.

Mas afinal o que é o “parto humanizado”?

O parto humanizado não é uma técnica de parto. Não é o mesmo que parto domiciliar, e também não é o mesmo que parto natural.

Independente do local ou das intervenções, o parto pode ser humanizado.

Assim como pode haver parto em casa ou parto natural que não é humanizado.

Complicado?

O parto humanizado é um conceito, onde a mulher é ouvida, seus tempo, o tempo do bebê e os desejos da mulher são ouvidos e respeitados. E no caso de algum desejo da mulher não poder ser atendido, os profissionais que estão assistindo-a irão explicar o porque, qual intervenção é necessária e ela dará seu consentimento. Portanto, incentivar que a gestante/casal elaborem um plano de parto e compartilhem com as pessoas e/ou instituições que irão prestar assistência ao parto e nascimento desse casal deveria ser indiscutível e imprenscidível para instituições/profissionais que dizem prestar assistência humanizada.

O parto humanizado pode acontecer em um hospital, casa de parto ou na casa da parturiente, com equipe que assista a mulher com base em evidências científicas, sem terrorismos desnecessários.

O parto humanizado pode ser natural ou pode precisar de intervenções, a pedido da mulher (como a analgesia por exemplo) ou por indicação do profissional que está assistindo ao parto.

Sendo assim, podemos dizer que : A humanização do parto e nascimento tem como base 3 pilares:

1) respeito à autonomia e protagonismo da mulher durante o processo da gestação, parto e pós-parto, com foco na fisiologia destes processos individualizando o olhar para cada binômio.

2) respaldo das condutas obstétricas e neonatais em evidências científicas recentes e de qualidade.

3) assistência multiprofissional e integral à gestante, parturiente, puérpera e bebê. Não há como humanizar realmente uma assistência quando o cuidado é prestado por apenas um profissional. Portanto a inserção de profissionais com olhares diferentes no cenário da assistência obstétrica e neonatal é imprenscidível quando se deseja prestar um modelo humanista de atendimento.

E você? tem uma definição diferente para parto humanizado? Mande para nós!

Autora: Gisele Leal.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *